Artigos

8 dicas essenciais para o seu planejamento de aposentadoria

8 dicas essenciais para o seu planejamento de aposentadoria

Você já deve ter ouvido falar de planejamento de aposentadoria ou planejamento previdenciário, certo?

Para lembrar: planejamento previdenciário é o estudo técnico e documental que um profissional especialista no assunto realiza junto a você. 

Ou seja, será analisado todos os seus documentos no sistema do INSS, como CNIS, carteira de trabalho, holerites, alterações de salário, PPP, guias de recolhimento, processos trabalhistas e outros.

O planejamento previdenciário permite você antecipar a sua aposentadoria e obter o melhor benefício para a sua situação. Continue a leitura e entenda.

Planejamento de aposentadoria: veja como buscar o melhor benefício

Com o planejamento, você poderá alcançar o melhor benefício para você. Sabia que o melhor benefício pode ser mais vantajoso do que o de maior valor? Pois bem, vou lhe explicar. 

Antônio, de 58 anos, poderá obter o seu benefício integral, de 100%, em outubro de 2025. 

Vamos supor que este benefício seja de R$ 4.000,00. Porém, analisando a documentação de Antônio, verificamos que hoje, novembro de 2021, ele poderia estar aposentado, recebendo R$ 3.500,00.

Então, Antônio pode obter um benefício de R$ 800,00 a mais que o de hoje, mas será que compensa a espera?

Em 4 anos recebendo o valor menor, de R$ 3.500,00 ele vai receber cerca de R$ 182.000,00 (sem qualquer correção de valores), o que levaria 364 meses para Antônio alcançar com o benefício integral. Mais de 30 anos, começando a ser vantajoso apenas quando ele chegar aos 88 anos.

Lembrando que essas contas aqui são apenas exemplos para entender que nem sempre o maior benefício é o melhor para você.

8 dicas essenciais para o seu planejamento de aposentadoria

Vamos entender agora como e por que fazer um planejamento da sua aposentadoria.

1. Confrontar o CNIS com seus documentos no planejamento de aposentadoria

Para iniciar um planejamento, é essencial que você tenha o CNIS (Cadastro Nacional de Informações Sociais), o documento pode ser obtido por meio do site e aplicativo Meu INSS.

Lá você encontrará as informações que o INSS possui para calcular a sua aposentadoria, como:

  • vínculo empregatício;
  • períodos que trabalhou em cada empresa;
  • salários de contribuição;
  • indicadores.

Quando mencionei confrontar, eu me referi sobre comparar as informações com o CNIS com as CTPS, holerites, carnês de recolhimento, alterações salariais e até mesmo processo trabalhista que você venceu na Justiça.

Se houver algum erro no CNIS, como, por exemplo, um vínculo empregatício que está na CTPS e não está no CNIS, ou qualquer outra informação que esteja diferente, você pode solicitar a correção dos dados junto ao INSS.

Você deve verificar também se as empresas em que passou, recolheu todo o período que trabalhou de maneira correta. 

Caso não tenha recolhido, o INSS computará os salários de contribuição no valor do salário mínimo vigente, isso vai fazer com que o valor do seu benefício diminua. 

Caso isso ocorra, é importante que você tenha em mãos o extrato analítico do FGTS, Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), holerites ou a própria CTPS com alterações salariais.

Os erros no CNIS devem ser corrigidos pelo INSS, com a apresentação dos documentos que comprovem o erro.

2. Trabalho insalubre pode ser utilizado no planejamento de aposentadoria

Caso você trabalhe em locais insalubres ou perigosos, é possível que você tenha direito à aposentadoria especial.

Os períodos trabalhados até 12/11/2019, também podem ser convertidos em tempo comum e aumentar o período de contribuição.

Portanto, o trabalho em atividades consideradas insalubres e perigosas, pode:

  • aumento no tempo de contribuição, trazendo maior valor de aposentadoria e também a antecipação do seu momento de aposentar;
  • a verificação de qual benefício será mais vantajoso das aposentadorias. 

Falamos acima sobre a verificação de qual benefício é mais vantajoso. Porém, nem sempre o mais vantajoso é a melhor opção. 

3. Período como trabalhador rural pode ser utilizado no planejamento previdenciário

O período trabalhado no meio rural e sem contribuição para o INSS, poderá aumentar seu tempo de contribuição. 

Isso vai trazer um maior valor de INSS a ser recebido e, também, fazer com que você se aposente antes.

4. Verificar se há contribuição de valores abaixo do mínimo que devam ser complementadas ou agrupadas

Após a reforma, o INSS não vai aceitar os períodos que você contribuiu abaixo do salário mínimo.

Portanto, você deverá fazer a complementação ou agrupamento do valor de contribuição (até chegar ou superar o salário mínimo) para que este período seja utilizado em seu benefício.

Observação: agrupar a contribuição é juntar os valores de dois ou mais meses contribuídos abaixo do salário mínimo.

5. Verificar no planejamento de aposentadoria se há períodos sem contribuição

Desde que você tenha exercido atividade com contribuição obrigatória, permitindo a indenização.

Quando me refiro em indenizar o período, significa pagar o período que você não fez o recolhimento devido. 

6. Verificar períodos de afastamento

Com o tempo de alistamento militar, você pode aumentar a sua renda mensal de aposentadoria. 

Isso porque, em alguns casos, o período de serviço militar pode ser incluído no cálculo do período de contribuição para a Previdência Social.

7. Analisar no planejamento previdenciário se há períodos que necessitem de averbação

O período trabalhado em outro regime, permitirá que você antecipe o seu benefício, mediante a apresentação de Certidão de Tempo de Contribuição (CTC).

Será permitido apenas com a certidão do tempo de contribuição, e não poderá ser utilizado novamente o período no regime próprio.

8. Verificar no planejamento previdenciário se há tempo de serviço em escola técnica

Caso você tenha tempo como aluno-aprendiz, você pode utilizar esse período para uma aposentadoria no INSS, mas não deve esquecer a Certidão de Tempo de Aluno-aprendiz.

O que deve constar na certidão?

Deve conter a discriminação do tempo em dias, meses e anos da frequência escolar, e a informação pela Escola acerca da existência de alguma forma de remuneração.

A remuneração pode ser indireta?

Recebimento de alimentação, fardamento, material escolar e parcela de renda auferida com a execução de encomenda para terceiros.

Conclusão

Como podemos perceber, existem alguns detalhes que podem ajudar a melhorar a aposentadoria. 

É por esse motivo que você não deve solicitar a sua aposentadoria sem antes buscar a ajuda de um especialista para fazer um planejamento previdenciário. 

Solicite a ajuda de um advogado especializado e tenha mais chances de ter um benefício melhor no futuro.

▶️ Clique aqui para falar com especialistas em INSS e Previdência Social

▶️ Acesse nossas redes sociais: Instagram | Facebook | Jusbrasil

Compartilhe esse conteúdo
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Queremos entender melhor o seu caso e te ajudar de acordo com sua necessidade.